Mudar de país: como fizemos

1024 492 Melina e Raphael
  • 5

Desde que nós nos decidimos mudar de país, do Brasil para Portugal, todo mundo pergunta: como faz? Conta como vocês planejaram isso? Foi de uma hora pra outra? Qual é o passo a passo? Pois bem, se você tem vontade de fazer uma mudança como essa mas está perdido sem saber por onde começar, vamos te ajudar.

Claro que cada jornada de vida tem suas particularidades e cada pessoa tem seu jeito de lidar com as situações. O aviso é: vai ser puxado, seu psicológico vai ficar abalado, você vai duvidar do seu potencial e o mundo vai te deixar doido. Notícia boa: você está equipado pra lidar com tudo isso e conseguir atravessar essas dificuldades, só se organizar e se fortalecer. Bora?

“Mudar de país é ressiginificar o conceito de distância e de lar. Também é se redescobrir, exercitar o desapego de coisas e sentimentos. Intenso e transformador demais!”
Melina e Raphael

 

1) Lute pelo seu sonho de mudar de país

A tendência natural das pessoas é gostar de ver as coisas a sua volta do jeitinho que estão, nada de mudanças bruscas. Então, quando você começar a colocar seu desejo de mudar de país, o mundo vai ouvir e tentar te convencer do contrário, mesmo sem fazer isso de propósito. Não espere um apoio simples como: “Que legal, torço por você.” E ponto. Sempre vai vir um: “Maaaas, tenho uma prima que mudou de país e chora todos os dias“, “Tenho um amigo que perdeu tudoe daí pra baixo de histórias trágicas. Calma.

As pessoas não estão fazendo isso por maldade. Estão usando seu instinto de proteger a zona de conforto delas mesmas, como se você fosse um espelho e elas vissem suas próprias vidas. A dica 1 é: lute pelo seu sonho. Dentro de você, saiba que você está se planejando ao máximo para que seu projeto saia bem e que a experiência das outras pessoas é fonte de prevenção de erros e não de terror e medo. Então, enquanto você ainda não tem um projeto mais detalhado da sua mudança, vai com calma, divida essa informação só com pessoas escolhidas a dedo, que já tem um histórico de te apoiar. Não corra o risco do mundo todo jogar água e afogar seu sonho, antes mesmo dessa semente germinar.

 

Mudar de país é ver muita coisa nova e se encantar a cada esquina. A Praça do Comércio e a vista do Castelo de São Jorge, em Lisboa

Mudar de país é ver muita coisa nova e se encantar a cada esquina. A Praça do Comércio e a vista do Castelo de São Jorge, em Lisboa

 

2) Troque sonhos por planos e tenha paciência

Agora que você está lutando pelo seu sonho, vamos começar a trocá-lo por planos? Pra qual país você quer mudar? Faça uma lista de onde vem sonhando morar. Inclua lugares que você gosta, já visitou, tem alguma intimidade com a cultura, a língua, enfim… Os fatores de decisão são muito pessoais. Mas, uma coisa é certa, você precisa considerar o seu futuro custo de vida. Pra isso, é importantíssimo você ter, na ponta do lápis, seu custo de vida atual, para comparar. Na ponta do lápis mesmo então nem pense em começar a elencar de cabeça “aluguel, conta de luz…”, pare! Você vai anotar, por pelo menos 3 meses, desde o aluguel até a balinha que você come quando vai ao cinema. Tudo, tudo, tudo.

É super comum que a gente gaste muito mais do que sabe, caso não anote absolutamente tudo. Com esse total em mãos, compare com os preços do país pra onde você quer ir. E vá fazendo uma estimativa do seu custo de vida na moeda local, levando o mesmo estilo de vida. Sim, sabemos que sua vida no outro país pode ser até mais barata que a atual. Ótimo, mas você vai economizar com base na atual, combinado? Esse foi um dos hábitos que nos permitiu o próximo passo: tenha uma poupança de emergência. O quanto você vai precisar é justamente seus gastos mensais por 6 meses ou 1 ano. Então agora, você tem noção do seu futuro custo de vida e de quanto tempo vai levar para economizar uma poupança de emergência. Nós levamos cerca de 1 ano! Por isso, além de trocar sonhos por planos, é preciso paciência.

 

3) Como se sustentar?

Um ponto mega importante é como você vai se sustentar no novo país. No nosso caso, sempre trabalhamos através da internet. Ou seja, desde 2008, praticamente nunca fizemos uma reunião presencial para cuidar de um projeto de identidade visual ou ilustração, mesmo que a gente morasse na mesma cidade de quem estávamos atendendo. Fizemos diversos projetos para clientes do Rio de Janeiro ou Terê, onde morávamos, sem nos reunirmos presencialmente.

Isso foi uma estratégia que adotamos para aumentar nossa produtividade (quem nunca sentiu que uma reunião levou muito mais tempo que o necessário ou não foi produtiva?) e também para que a gente fosse independente de localização. Então, se seu trabalho te permite isso, mas você ainda está bem ligado a reuniões presenciais, comece a criar estratégias para ir mudando esse hábito. Se você vai precisar encontrar um emprego, comece a procurar já, agora. Fale com amigos que estão naquele país, entre em grupos de facebook, pesquise o quanto puder.

 

É bem mais fácil do que parece tornar um lugar com a sua cara. Detalhes dos nossos home offices nos dois apês que moramos até agora, em Lisboa

É bem mais fácil do que parece tornar um lugar com a sua cara. Detalhes dos nossos home offices nos dois apês que moramos, até agora, em Lisboa


+ Conheça também: nosso e-book Marcas Apaixonantes

 

4) Sem lenço e com documento

Documentação! Não tem como fugir dessa parte burocrática, para mudar de país. Não recomendamos de jeito nenhum que você se aventure a ir morar em outro país como turista e depois tentar ficar. São muitas histórias sem final feliz com direito a ser deportado e nunca mais poder retornar ao local. Lembra das histórias trágicas que vão te contar? As de pessoas que estão ilegais em um país são um exemplo do que não fazer. Comece a pesquisar quais são os requisitos para permanência no país que você escolheu.

Um caminho muito usado é o visto de estudante. Você vai matriculado em um curso e, ao morar no local, começa a montar estratégias para ficar. Lembre-se, o visto é sempre tirado no seu país. Nunca vá e deixe para resolver questões de visto no país onde pretende morar. Se você quer vir para Europa, um conselho nosso é avaliar se existe a possibilidade de obter a cidadania de algum país daqui. Para isso, é preciso que você tenha algum parente com essa nacionalidade tipo uma avó Portuguesa ou Italiana, que são as mais comuns, no Brasil.

Muitas famílias tem traumas com esse assunto, mal podem ouvir falar. Isso é fruto de tentativas frustadas no passado e gasto de muito dinheiro em vão. Não foi diferente com a gente, mas fomos pesquisar no site do consulado, sites especializados, advogados da área com experiência comprovada e cuidamos dos nossos processos todos por conta própria. Não desista! Com visto ou com cidadania, é possível! Só não vá sem um projeto de documentação.

 

 

5) Lar doce dar

Agora que você já pensou em lutar pelo seu sonho, já sabe mais ou menos quanto tempo vai precisar economizar e está cuidando da documentação e do seu ganha pão, chegou a hora de procurar um lar pra chamar de seu. Você pode pesquisar em sites de apartamento locais ou então no maravilhoso AirBnb (ao usar esse link, você ganha desconto e a gente também, uhu!).

A dica que fizemos e deu certíssimo pra nós é a seguinte. Pesquise, no AirBnb, o máximo de apartamentos que gostar, naquele local. Tenha critérios que são importantes para você (como tamanho dos cômodos, facilidades como ar condicionado ou aquecimento, localização, etc.) e vá abrindo todas as possibilidades que você curtir já dentro de uma faixa de preço que você estipulou. No nosso caso, era muito importante ter, pelo menos uma mesa com tamanho médio para trabalharmos, máquina de lavar roupa e uma cozinha minimamente montada (com forno e panelas).

Ao finalizar essa busca, comece a entrar em contato com um por um dos proprietários explicando a situação, dizendo que gostaria de ficar mais de um mês no apartamento, se seria possível um desconto. Conseguimos um ótimo desconto assim! Você garante pelo menos o primeiro mês em um lugar com internet já instalada, sem se preocupar em pagar contas de luz, gás, essas coisas. E chega em um local todo equipado com talheres, roupa de cama, toalha, etc. Já estando no país, você pode procurar pessoalmente outros apartamentos ou mesmo negociar com seu atual para ficar mais tempo.

 

Detalhes do nosso primeiro apê Lisboeta via AirBnb: a palavra "carinhas" que trouxemos e a vista da janela

Detalhes do nosso primeiro apê Lisboeta via AirBnb: a palavra “carinhas” que trouxemos e a vista da janela

 

+ Leia também: Inhotim, Tiradentes, Centro do Rio e mais na categoria Viagens

6) Pertences: o que levar na mudança?

Ah, as coisas que a gente acumula ao longo da vida. São tantas! Como pode? Ficamos meses e meses limpando, doando e reciclando coisas para nos mudar. E parecia que nunca teria fim! Cada gaveta aberta era sinal de uma pilha de coisas do nosso tamanho. Se não fossem os nossos amigos e parentes anjos da guarda, a gente nunca teria conseguido porque, pasme, no dia da viagem ainda tinha coisa a beça para dar destino.

Bom, você pode escolher ficar bem leve na sua vida ou levar seus pertences com você, ao mudar de país. Nossa estratégia foi reduzir drasticamente nossos pertences, trouxemos roupas e poucos itens de decoração. No mais, vendemos tudo! Assim, o que ficou está em três malas: uma grande, uma média e uma mini. Essas são as coisas que estão conosco agora.

Depois de alguns meses a gente já concluiu que dá pra reduzir mais ainda! E, deixamos em um espaço na casa dos nossos parentes, alguns poucos pertences como documentos, nosso álbum de casamento, algumas caixinhas de memórias e só. Foi muito bacana ver, em uso e movimento, coisas que a gente nem dava mais bola. Livros que estavam parados pegando pó na estante, sabe como? Vontade de mudança afeta a vida toda, é um movimento difícil mas que faz bem demais!

 

Você vai precisar: dose extra de coragem para mudar de país

Depois desses tópicos todos, você já percebeu que sua vida estará com muito mais tarefas e preocupações do que o normal, né? É por essas e outras que muita gente acaba simplesmente desistindo do sonho de conhecer e morar em outro lugar desse mundão. É bem mais fácil simplesmente não se mover, deixar como está. E todo mundo a sua volta vai te apoiar nessa, ninguém gosta de ver sua zona de conforto ser confrontada.

Mas, hoje, quase um ano depois de mudar de país, a gente pode falar que viver essa experiência nos fez repensar nossa vida. Isso inclui a forma de consumir, ideia de “lugar no mundo” e conceito de “lar”, por exemplo. Essa transformação trouxe sensações e experiências incríveis. Também trouxe momentos de sofrimento inigualável por situações que aconteceram e ainda vão acontecer na nossa vida, somadas à distância.

Por isso, equipe-se com uma dose extra de coragem. Mudar de país não é um caminho sem volta, é uma experiência. Você pode simplesmente voltar pra onde estava antes, sem problemas, sem crise. O que a gente garante é: você vai voltar ou continuar outra pessoa, sua visão de mundo vai ser ampliada, com força. Você vai reorganizar, no seu coração, conceitos que estavam parados e inabalados há muitos anos. Permita-se, vale à pena demais!

Muitos sites, blogs e links foram consultados por nós nesse processo de mudar de país, então, leia também:

  • Site sobre viver em Portugal, custo de vida e dicas sobre documentação: cultuga.com.br
  • Grupo de Facebook sobre Cidadania Portuguesa com autoria de um advogado especializado
  • Site Partiu Intercâmbio, com informações sobre vários países com dicas para fazer intercâmbio
  • Artigo completíssimo com passo a passo bem detalhado sobre morar fora do país, no Pequenos Monstros

E você? Tem sonho ou já realizou mudar de país? Como foi? Você tem mais algum ponto importante para acrescentar? Esperamos seu comentário! Abraços do casal e obrigado por estar com a gente.

*A foto do topo desse post foi tirada pelos queridos Priscila e Rafael do Cultuga.

AUTORES

Melina e Raphael

Um casal, muitas ideias! Sócios desde 2008, somos apaixonados por ilustrar pessoas através das Carinhas, desenvolver Marcas Apaixonantes e criar mantras do bem, na Mantly. Cariocas vivendo em Portugal. Curiosos, otimistas e praticantes de dancinhas da felicidade.

Todos posts por: Melina e Raphael
4 comentários

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado